Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Written By Cate

Catarina Correia.

Catarina Correia.

Written By Cate

10
Jan18

h&m - Nem Tudo É Racismo


Catarina Correia

h&m.PNG

 

Vivemos num mundo em que tudo é levado ao exagero e onde se criam escândalos onde não existe escândalo nenhum. Ou é porque é alto, ou é porque é baixo. Ou é porque tem cão, ou é porque não tem. Ou é por isto, ou por aquilo. Mas afinal, qual é o problema agora?

 

“Epah, isso é inaceitável!”, “Vocês estão insinuando que a raça negra é semelhante a macacos?”, “É um absurdo uma empresa fazer isto...expor uma posição racista tão abertamente.”, “Engraçado, os pais dessa criança não sabem ler? Toleram esse tipo de exposição do filho? Eles não viram racismo ou o quê?”.

 

Eu estou a tentar encontrar racismo na campanha original, mas a verdade é que me junto aos pais da criança. Eles não viram racismo e eu também não o vejo!

 

Não existe racismo nesta campanha! Não existe racismo para com a criança que veste a camisola verde e acredito que também não existiria caso fosse a criança branca a vestir a camisola. O único problema com esta campanha está somente na cabeça de quem quer salvar o mundo, mas não está a salvar coisa nenhuma. Penso que, a cada um de nós, anda a faltar uma boa quantidade de bom senso e de compreensão.

 

Sou completamente a favor da igualdade e estou sempre pronta a defender causas que prendam a minha atenção. Não tolero discriminação, desigualdade de género e muito menos tolero o racismo. No entanto, não me peçam para encontrar racismo onde ele não existe. E a verdade é que eu não consigo perceber o erro da H&M, não consigo encontrar racismo na imagem de uma criança com uma sweat a dizer “Coolest Monkey In The Jungle” (Macaco mais fixe da selva).

 

Tenho dois irmãos mais novos, dois “branquelos” – como muitos insistem em dizer para atacar – e a verdade é que eles são dois macacos autênticos. Desde que se levantam até que se deitam eles não param de saltar da cama para o chão, da mesa para o sofá, e das cadeiras para qualquer que seja o objeto. Gosto muito deles, mas a verdade é que parecem dois macacos que vivem numa selva. Selva essa que eles “constroem” ao virar a casa do avesso. Mas os meus irmãos não são um caso único, todos os miúdos são assim. Eu já fui assim!

 

Sejam meninos ou meninas… Sejam portugueses, americanos, chineses ou africanos… Sejam “brancos, ou “pretos”… São miúdos e são todos iguais!

 

O racismo precisa de ser combatido, sim! Mas não assim, não desta forma. Não é com este tipo de exageros que o racismo vai desaparecer e também não será com todos aqueles que fazem parecer mais do que aquilo que realmente é.

 

Se existir racismo, denunciem! Se não existir, deixem-se de ‘tretas’ e não venham espalhar ódio só para convencerem os outros de que são pessoas atentas e justas. O racismo está nas nossas cabeças e nos macaquinhos que nos metem nas mesmas.

 

Aposto que se perguntarem a um miúdo qual o problema da dita imagem, a resposta dele será igual à minha. Não há problema na imagem! E é aqui que eu gosto de acreditar que as crianças são muito mais justas do que nós, muito mais humildes e sinceras! Se para eles está tudo bem, porque é que para nós não pode estar? Porque é que não aprendemos mais com eles e deixámos de os desvalorizar tanto? Porque é que não nos tornámos mais crianças e menos conflituosos?

 

Mas talvez eu esteja errada. Talvez exista racismo naquela campanha e eu não o consigo encontrar por ser só mais uma “branquela” que nem sequer deveria estar a opinar sobre as “raças” alheias. Talvez seja só isso… Ou talvez não! No entanto, uma coisa é certa: NEM TUDO É RACISMO!

 

40 comentários

Comentar post

Pág. 3/3